Justiça converte em preventiva prisão de suspeito por envolvimento em latrocínio que vitimou idoso, em Santarém

Wesley Viana Cunha havia sido preso na quinta-feira (7) após tentar roubar em uma residência no bairro Livramento.
Wesley Viana Cunha é suspeito de envolvimento em caso de latrocínio — Foto: TV Tapajós/Reprodução

O juiz Alexandre Rizzi, da 1ª Vara da Comarca de Santarém, oeste do Pará, converteu em preventiva, na sexta-feira (8), a prisão de Wesley Viana Cunha, suspeito de envolvimento em um latrocínio que resultou na morte de um idoso no bairro Aeroporto Velho. Wesley havia sido preso na quinta (7).

De acordo com informações da polícia, o suspeito teria praticado outro assalto em uma casa no bairro Livramento. Wesley havia recebido informações privilegiadas sobre uma vítima que estaria em sua residência com uma quantia de dinheiro obtida do fundo de garantia por tempo de serviço.

Quando a polícia realizava abordagem na residência, uma das vítimas conseguiu fugir pela janela pedindo por socorro, o que fez com que o suspeito se retirasse da casa. Durante a fuga, Wesley pegou um carro, mas acabou batendo em um ônibus e ao sair do veículo foi detido pela polícia.

O suspeito foi encaminhado a 16ª Seccional Urbana de Polícia Civil. Nesta sexta, Cunha confessou a participação no crime que ocorreu no dia 20 de junho e resultou na morte de um idoso.

Segundo a polícia, o suspeito admitiu que estava conduzindo a motocicleta durante o assalto ao reconhecer o veículo apreendido na delegacia. Ainda segundo a polícia, a intenção de Wesley não era tirar a vida do idoso, pois quem havia efetuado os disparos era o segundo comparsa que estava na garupa da motocicleta.

Wesley havia saído da prisão no dia 2 de junho e praticou vários crimes. A polícia segue investigando outros crimes que estão sendo apontados contra o suspeito.

O outro suspeito que teria efetivado os disparos contra o idoso ainda não foi preso. A polícia informou que a identificação está adiantada e o homem já se apresentou com o advogado, mas se reservou ao direito de ficar em silêncio. As provas técnicas contra ele estão sendo acrescentadas no inquérito que foi aberto para investigar o caso da morte do idoso.

Fonte: G1 Santarém 

0 Comentários